Difícil Decisão.

Posted by Italo Stauffenberg Marcadores: ,

     - Eu olhei para o céu e senti... que você estava cada vez mais perto de mim.
      
      Hannah Linsey Cole, esse é o meu nome. Jovem, sonhadora, pensativa, enigmática e muito sentimental. Moro no oeste de Illinóis e tenho o objetivo de entrar pra Universidade do Óregon e me formar em Engenharia de Softwares. Soft...? O quê? Isso mesmo! Nem tudo o que parece ser é o que deve ser. 
      Quando era bem menina tinha o sonho de me formar em medicina ou em alguma área da saúde. Isso parece ser um colírio aos olhos de todos os pais. Parece que para eles a única formação que vale é ser médico, dentista ou advogado e fora isso é resto.
      Cresci com isso em mente mas assim como meu corpo e mente se transformam a cada dia esta visão foi ficando para trás. Tenho 16 anos e estou para terminar meu colegial. Tudo vai bem com meus estudos e com minha família. O coração? Eis a questão. O coração dói e como dói.
      Jason era um garoto daqui da vizinhança. Ele estudava na mesma escola que eu e nós éramos namorados. Ele me amava e eu o amava ainda mais. Jason era fllho de pais separados e morava com a mãe  e o padastro dele. A mãe dele era uma pessoa super legal e me tratava super bem mas o padastro...
      Com 17 anos, Jason começou a trabalhar para ajudar a mãe já que ela começara a sofrer de uma doença. Ele não queria me dizer o que ela tinha mas para ele aquela mulher era a pessoa mais importante da vida dele. Eu não achava isso ruim, afinal, se ele é um bom filho ele deverá ser um bom marido (costumava pensar nisso).
      Jason e sua família vieram morar aqui no estado de Illinóis depois da separação de seus pais e ao que tudo parecia sua nova família era bem respeitosa. Jason era um garoto super educado e bem atencioso. Ele me tratava como ninguém havia me tratado em toda a minha vida. Ele realmente era especial para mim. Ao que tudo parecia as coisas não iam nada bem com relação a saúde da mãe dele e isso o preocupava bastante.
      Um belo dia, o médico da mãe dele liga e pede que ele vá visitá-lo afim de tratar de assuntos relacionados ao tratamento que sua mãe fazia. Nunca vi Jason tão aflito! Parecia até um assunto de vida ou morte. Eu resolvi ir com ele ao médico mas ele não permitiu. Queria resolver tudo sozinho.
     Quando ele chegou, seu rosto estava pálido e sua pele muito fria. Aquele olhar tenso e preocupado me deixou muito inquieta.
      - Jason, o que foi que aconteceu? O que o médico lhe falou? - indaguei naquela aflição.
      - Nada Hannah! Está tudo bem! Preciso apenas tomar uma decisão que mudará o rumo de nossas vidas!
      Ao escutar aquilo meu coração ficou mais alegre e satisfeito. Jason sorriu para mim e foi ver a mãe dele.
      Um mês se passou e durante este mês eu e Jason vivemos momentos super felizes! Parecia que aquela conversa dele com o médico fez ele melhorar o astral e viver a vida mais intensamente.
      O que eu não sabia era que Jason estava vendo as possibilidades de salvar a vida de sua mãe. Ela sofrera de uma doença terrivel e precisava de um doador compatível para que ela tivesse a possibilidade de sobreviver! Como na maioria dos casos, parentes próximos tem chances mínimas de compatibilidade mas por incrível que parecesse Jason era altamente compatível com sua mãe. Só que tinha um problema. Jason descobriu que não poderia fazer o transplante que sua mãe precisara por ele também sofrer de uma doença e que o órgão que doaria lhe causaria dano se fosse retirado. Nada disso eu ficaria sabedo por Jason. Ele me omitira tudo.
      Jason por fim, resolve se arriscar e doar o órgão que sua mãe tanto necessitava e para minha surpresa, espanto e tristeza Jason morre na sala de operação cirúrgica. Aquilo foi um choque para mim, por que ele não me contara nada?
      Passados seis meses e a recuperação de sua mãe, ela decide me chamar para termos uma conversa. Quando cheguei na casa da Dona Sarah ela abriu um largo sorriso e me deu um abraço muito forte.
      Ela me chamou por que descobriu um diário secreto de Jason onde ele escrevera tudo o que estava sentindo nos últimos momentos de vida.
      - Minha filha, eu acho que este livro lhe pertence. Jason escreveu ele para você.
      - Para mim? Como assim?
      - Revirando o quarto dele e matando a saudade enorme que sinto, achei este livro escondido no baú onde ele guardava os brinquedos de infância que mais gostava! E lendo algumas páginas vi que tudo que estava escrito se direcionava a você. Acho justo que isto fique com você.
      Eu confesso que fiquei muito assustada! Estava começando a me conformar com a morte de Jason e eis que surge este diário dele para mim? Eu aceitei e quando voltei para casa comecei a lê-lo profundamente. Parecia que cada palavra contida naquele livro fosse lida para mim pela boca de Jason, parecia que eu escutava sua voz a cada vez que lesse aquele diário.
      - Eu olhei para o céu e senti... que você estava cada vez mais perto de mim, era uma das frases contidas naquele diário para mim. Jason dizia que todas as manhãs olhava para o céu e pensava em mim e que tomar a decisão de salvar sua mãe e me deixar lhe preocupava muito mais que só em pensar em viver sem sua mãe lhe parecia angustiante.
      Hoje, eu digo que olho também para o céu e o vejo nas estrelas que enfeitam este imenso céu. Você é meu anjo de luz  Jason e sei que tudo o que fez  foi pensando no melhor para todos. Obrigado por tudo. Nunca te esquecerei.

Pauta para 1ª Edição do Projeto In Verbis

2 comentários:

  1. Nanda Meireles

    Caro Mr. Stauffenberg(sim eu precisei colar para escrever seu nome) =)
    Você deve saber que andei pesquisando sobre esses projetos, até fiz uma postagem especial sobre o assunto no blog. Participei de alguns com intenção de avaliar o julgamento deles. Mas não me recordo de ter visto um texto tão bem escrito como o seu. Parabéns e por favor aceite um simples conselho de alguém que gosta de ler e ama escrever, invista nisso, acredite em você. Tenha certeza que muitos autores nacionais que tem livros publicados não tem a metade do seu dom.
    Com carinho,
    Nanda Meireles

  1. Babizinha

    Italo, parabéns também pelo 1º lugar!

    Como simples palavras podem desenhar em nosso imaginário um contexto tão diferente e tão plausível. Adorei a história que desenvolveu e espero lê-lo mais e mais. E concordo com a Nanda, "invista nisso".

    Beijos
    :*

 

2011 por Natalia Araújo 2013 por Allan Penteado. Exclusivamente para o blog Manuscrito. Cópia parcial ou integral é totalmente proibida.