História de Amor.

Posted by Italo Stauffenberg Marcadores: ,

      Nunca fui exemplo para ninguém. Vivia em festas, pegava todos os tipos de garotas e coisas bem piores. Era de uma família bem tradicional do Texas e não ligava para definitivamente nada. Na escola era o garoto mais popular e sempre andava rodeado de meninas bonitas e o clube de futebol.
      No fundo no fundo eu sabia que um dia teria que mudar. Meu irmão mais velho tinha acabado de se casar e ele era meu exemplo. Era porquê antes de se casar ele era como eu era. Festeiro, pegador e outras coisas também. Acontece que meu irmão foi laçado pelo sentimento chamado amor. Eu, particularmente, não sabia o que era amar. Estava interessado só em ficar, curtir.
      No terceiro ano do ensino médio, uma garota se mudou do Alabama para o Texas. Ela era linda demais e logo fiquei de olho nela. A família dela era muito religiosa e ela também. Loira, olhos azuis, pele clara e voz suave, assim era Jane.
      Foram incontáveis tocos que eu levei desta garota. As meninas da escola haviam avisado a ela que Josh Nicols era o garoto mais pervertido e deplorável de todo o Texas. - Eu, deplorável, imagina! O fato é que não desistiria de conquistar aquela menina. Foram incansáveis tentativas e todas aparentemente falharam.
      Já ouviram falar em 'amor bandido'? Acho que no fundo no fundo Jane sentia esse 'amor bandido' por mim. E como eu pensava isso não desisti tão fácil dela. No dia 4 de julho, dia da Independência dos Estados Unidos, convidei Jane para irmos a festa do 4 de julho (uma festa muito tradicional para nós americamos).
      Com muita insistência fiz Jane ir comigo. Foi um dia incrível. Ela pode me conhecer melhor e eu pude conhecê-la também. No final da tarde, fomos beirar na Fazenda dos Caughtry, uma família ultra religiosa, mas que possuía a vista mais linda do pôr-do-sol de todo o Texas.
      Vendo aquela paisagem flertei muito com Jane mas ela estava sempre se esquivando. Confessei a Jane que estava perdidamente apaixonado por ela e que achava que ela sentia o mesmo por mim. Jane riu. Na  mesma hora achei que estava fazendo um papel de bobo e que aquela garota estava somente curtindo com minha cara.
      - Você é muito bobo mesmo, não acha? Como diz que sou apaixonada por você? Você é muito metido, disse ela rindo.
      - Mas... é que eu nunca senti isso por ninguém e, sabe, seus olhares, você ter aceitado sair comigo, o cara mais pegador de todo o Texas... enfatizei.
      - Talvez eu tenha uma fraqueza por causas realmente perdidas! - ela replicou.
      - O quê? Isso é um sim, uma resposta ou o quê? - disse atordoado.
      - Hum, bobinho! Eu estou gostando de você também e não ligo que tenha essa fama de menino pegador. Sei que farei você mudar. Eu consigo. Vamos tentar?
       No mesmo instante beijei Jane com todas as forças e deste aquele dia nunca mais fui o mesmo. Hoje sou casado (com ela), tenho 4 filhos lindos e sou fazendeiro aqui pelo Texas mesmo. Jane, com certeza, é a mulher da minha vida.

Pauta para 1ª Edição do Projeto Letra e Música - Edição Imagem.
Pauta para 1ª Edição do Projeto Letra e Música - Edição Letras - "Talvez eu tenha uma fraqueza por causas realmente perdidas" (em itálico e negrito).
 

0 comentários:

 

2011 por Natalia Araújo 2013 por Allan Penteado. Exclusivamente para o blog Manuscrito. Cópia parcial ou integral é totalmente proibida.