Amor de Mãe?

Posted by Italo Stauffenberg Marcadores: , , , , , , ,


      É chegado o mês de maio e ele já nos faz lembrar duas coisas: mães e noivas. Sim, maio trás consigo o amor maternal e o encanto do casamento. É do saber de todos que, um dia, uma noiva pode vir tornar-se mãe ou uma mãe chegar a ser noiva, não importa a ordem, o fato é que as duas coisas são intrínsecas. Acho lindo todo esse proselitismo, todo este brilho de maio em que se é comemorado o dia daquela mulher que é responsável em dar educação a uma vida, em proteger, em projetar um futuro para alguém que pode chamar de filho. É lindo ver o quanto uma noiva sonha... Sonha com um casamento feliz, uma família estruturada, um marido perfeito e filhos que vão ser a sua alegria para o resto da vida.
      Todavia, nem toda mãe merece ser chamada de mãe. Nem toda mãe merece a honra desse dia. Não podemos generalizar. Por causa de um, todos não devem pagar. Entretanto, poucos dias antes da comemoração do dia das mães deparo-me com a seguinte e horrenda situação que perpetuou-se Brasil à fora.  O nome dela é Dilma das Graças Teles, moradora de Rio Acima, localizada na região central das Minas Gerais. Ela é “mãe” de Brian Teles, 27 anos, e tetraplégico. Dilma ficou nacionalmente conhecida após ser presa no último dia 8 após ser presa pela polícia militar e ser encaminhada a delegacia acusada de crime de tortura contra o próprio filho. Brian, como já dito, é tetraplégico e vinha sendo agredido pela mãe que não suportava mais cuidar do próprio filho.
      Acaso, que mal pode fazer alguém tetraplégico? Você se pergunta: que mãe é essa que faz isso com alguém que não possui mínima chance de defesa? Pois bem, Brian caiu do telhado e perdeu o movimento das mãos e pernas. Desde então, estava sobre o cuidado da própria mãe. Brian dependia, em tudo, da mãe. A denúncia das agressões que o rapaz sofrera foi feita pela própria vítima que pediu a mãe para que apertasse uma tecla do computador em que, inconscientemente, a mãe estaria ligando a webcam e passaria a filmar todas as agressões que faria ao filho. Dilma, por vezes, fala e afirma que preferiria ver o “filho” morto ao ter que cuidar dele. Numa busca sobre o passado do rapaz foi encontrado que ele era usuário de drogas e já possuía passagens pela delegacia por crime de furto.
      Isto quer dizer que o rapaz já havia causado muitos desgostos a mãe, certo? Porém, certo “castigo da vida” já não lhe fora imputado quando este ficou tetraplégico? Seria necessário uma “mãe” se “vingar” com tanta crueldade assim?  Questionada sobre as acusações de tortura contra o próprio filho na delegacia, a mãe confessa que o agredia e que preferia ficar na prisão a cuidar do filho. Ela estava “cansada”. Com isso, questiono-me: onde está o perdão? O amor ao próximo? O amor ao filho? Como dar crédito e valor a uma pessoa que pratica coisas hediondas (ao meu ver) contra alguém que não tem a chance de defender-se?
      De fato, não é toda mulher que nasceu para ser mãe. Não é toda mulher que merece ser mãe. Não é toda mulher que deve ser homenageada neste dia. As mães que cuidam, amam e perdoam as falhas de seus filhos, os meus parabéns e felicitações. Àquelas outras que vivem na aparência de uma mãe perfeita, mas que praticam coisas semelhantes ou iguais a esta praticada pela dona Dilma o meu desprezo. E que Deus perdoe por que a sociedade brasileira não precisa de pessoas assim. 

 "Olá, amigos! Esse ano decidi publicar algo diferente sobre o "dia das mães". Espero que entendam a mensagem! Aos poucos estarei de volta. Prometo. Pretendo comentar sobre algumas notícias da atualizade com vocês e espero um feedback. Até mais."

0 comentários:

 

2011 por Natalia Araújo 2013 por Allan Penteado. Exclusivamente para o blog Manuscrito. Cópia parcial ou integral é totalmente proibida.