Polêmicas envolvem "Sheezus", novo disco de Lily Allen

Posted by Italo Stauffenberg Marcadores: , , , , , , , , ,

Em recente disco, a cantora Lilly Allen mostra que não tem medo de falar da vida alheia

      Tem gente que nasceu pra chamar a atenção. Seja em benefício de si próprio ou à custa do sucesso alheio. O que pretendo expor neste singelo e humilde post é o fato da cantora Lily Allen ter lançado um álbum chamado “Sheezus” repleto de polêmicas. E não são meras polêmicas que falam de sexo, drogas ou coisas do tipo. Lily decidiu alfinetar vários artistas do cenário pop mundial.
      “Sheezus” é o terceiro disco de estúdio na carreira da cantora londrina. Ela havia interrompido a carreira há cinco anos após enfrentar sérios problemas pessoais, como o aborto espontâneo que quase deu fim a sua vida. A cantora estourou no mercado fonográfico ainda com seu primeiro CD “Alrigh, still”, lançado em 2006. A faixa “Smile” ganhou as paradas de todo o mundo e Lily até foi indicada ao Grammy Award concorrendo na categoria de Melhor Álbum de Música Alternativa.
      Em 2009, a londrina lançou o disco "It’s Not Me, It’s You" vendendo mais de 2,5 milhões de cópias. Sempre causadora de polêmicas, Allen alcançou maior destaque através da música “Fuck You”, que integra este CD. Não preciso dizer a que se refere a letra da canção. Apesar de muita gente não entender a língua inglesa, o jargão, melhor dizendo, o palavrão “Fuck You” já é bem conhecido na língua portuguesa e denota coisas que prefiro nem comentar.

Imagem extraída do videoclipe "Sheezus" recriando o estilo psicodélico

      O novo álbum, Sheezus, é repleto de críticas a tudo e a todos. A meu ver, a cantora queria voltar as manchetes dos jornais e programas de televisão especializados em música com tudo! Mantendo a linha irônica, Lily está promovendo a música que dá nome ao disco “Sheezus”. Nesta canção, a artista solta várias farpas a Katy Perry, Beyoncé e Lady Gaga e rasga elogios a Lorde, cantora revelação no último Grammy.
      Não sou crítico de música, mas queria saber o que as pessoas gostam em Lorde. Bonita ela não, mas aí tudo bem. Nem Lady Gaga é bonita e faz sucesso à custa de suas loucuras e bizarrices e seu péssimo gosto para se vestir. Mas Lorde? Minha gente, na boa, o que Lorde tem a oferecer? Ao ouvir “Royals”, o hit da cantora neozelandesa, a sensação que dá é essa: quebre o CD ou se mate (just kidding). Não há escolhas.
      Os fãs que me perdoem, mas Lorde é só poeira jogada ao vento. As críticas a Beyoncé na música de Lily Allen expõe que a esposa de Jay-Z deve voltar ao início da carreira, acho que ao Destiny’s Child, quando, segundo Lily, ela fazia sucesso. Já a Katy Perry, a cantora londrina diz: “RiRi não tem medo do rugido de Katy Perry”. A “RiRi”, no caso, é a cantora Rihanna, que também agita o cenário musical pop.
      Na canção, Allen ainda diz que não tem medo das críticas e perseguições da mídia. “Estou preparada para as comparações // Acho que é bobo e vergonhoso // Estou mudando, não escuto mais nada // Já me cansei de perseguição e condições”, diz ela numa estrofe.
      As piores críticas da cantora são para Lady Gaga. “Estamos assistindo à Gaga, rindo muito, ha-há // Morrendo pela arte, então, ela é um mártir // Ficar em segundo não é o bastante para as divas // Me dê a coroa, vadia // Quero ser a Deusa.”, diz ela concluindo o refrão da música. Não é preciso falar mais nada, não é? Querer ser deusa? Ah, vá. 

Outra imagem extraída do videoclipe "Sheezus" em que Lily aparece com um chifre querendo ser deusa

      E para piorar toda a situação, Allen ainda lança o clipe musical da canção remontando um cenário psicodélico através de efeitos de luz que trazem, subliminarmente, efeitos de cruz e de chifres que lembram os famosos “chifres do capeta”. Além do fato dela declarar, explicitamente, que quer ser "deusa" sobre a vida das pessoas. 
     A música é clichê como todos os álbuns da cantora são. O que me deixa mais confuso é o fato dela usar a palavra “Sheezus” que se aproxima, e muito, da sonoridade de “Jesus”, falado na língua inglesa. Para quem não sabe, após o aborto espontâneo, Lily Allen começou a freqüentar uma igreja evangélica na Inglaterra.
      Na época, havia rumores de que ela abandonaria a carreira após o incidente enfrentado e que tinha encontrado na fé uma sustentação para dar continuação da vida.

      Lamentável! Isso define toda a exposição da cantora londrina.  

4 comentários:

  1. Renato Almeida

    Gosto dos sons dela antigos. Mas esse seu novo albúm tô achando tão apelativo. Seja o titulo, e as outras coisas. Acho que ela quer chamar a atenção, soar diferente, quando já é diferente das demais cantoras do gênero.
    O triste é que a cada clipe novo dela que vejo, acho ela mais perdida. Acho que ela tá perdendo a personalidade, se tornando um personagem. Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

  1. Anônimo

    Vergonha de Post. Gosta de lorde quem goste... Cada um tem seu jeito. Não somos obrigados a ouvir tudo oque você queira. E sim,estamos rindo da Lady Gaga porque ela falhou. Katy Perry compôs apenas DUAS musica boas para o álbum. Não entendi o da Beyoncé tudo bem, mas também não sou obrigado a concordar de tudo. E outra, vocÊ diz que as musicas dela (Lily) são "clichês" apenas porque não tem muito apoio da mídia, ao contrário, ela é atacada. Antes de postar sobre algo, procure se informar melhor. Deu sua opinião, dei a minha... Agora vamos ver se você sem um bom senso suficiente de deixar este comentário no blog! Obrigado a atenção, kisses.

  1. Italo Stauffenberg

    Comentário aceito, "anônimo". Desde que não falta com o respeito todos os comentários sempre serão aceitos. Pelo que vi, você é fã e tendencia a este tipo de posicionamento, então, é refutável o argumento. Mas, obrigado por ler o blog.

  1. Anônimo

    Acho que Lily Allen é ridícula, ela não sabe compor músicas e faz essa letra de Sheezus citando de várias divas famosas, ela não é de Deus, isso é lamentável. Allen é horrível.

 

2011 por Natalia Araújo 2013 por Allan Penteado. Exclusivamente para o blog Manuscrito. Cópia parcial ou integral é totalmente proibida.