O que é liberdade?

Posted by Italo Stauffenberg Marcadores: , , , , , , , ,


      Outro dia estava voltando pra casa refletindo nas várias nuances da vida. Uma palavra me veio a mente. Melhor, palavra não. O que despertou minha intenção é o real sentido do que é liberdade. Muitos confundem liberdade com libertinagem, mas o que é ser um alguém livre? Esses dias tive a oportunidade de assistir ao filme “A culpa é das estrelas”, adaptação do livro homônimo do escritor John Green. Pelas telas do cinema uma frase dita pela personagem Hazel Grace Lancaster me chamou atenção:

      “É na liberdade que muitas pessoas encontram o pecado.” (A culpa é das estrelas)

      Parece uma frase simples, não é verdade? Chega até ser algo relativamente tido como tabu ou coisa do tipo, afinal, que ligação há entre o pecado e a liberdade? A bíblia sagrada, manual de fé para muitos cristãos é enfática quando delimita liberdade como libertação:

      “Foi para a liberdade que Cristo nos libertou. Portanto, permaneçam firmes e não se deixem submeter novamente a um jugo de escravidão”. Gálatas 5:1

      Todavia, se liberdade tem  relação com libertação o que seria uma e a outra? O dicionário Michaellis aponta que liberdade é: 1. Estado de pessoa livre e isenta de restrição externa ou coação física ou moral. 2. Poder de exercer livremente a sua vontade. 3. Condição de não ser sujeito, como indivíduo ou comunidade, a controle ou arbitrariedades políticas estrangeiras. 4. Condição do ser que não vive em cativeiro. 5. Condição de pessoa não sujeita a escravidão ou servidão. 6. Isenção de todas as restrições, exceto as prescritas pelos direitos legais de outrem. 7. Independência, autonomia. 8. Ousadia. 9. Permissão. 10. Imunidade.


      Em contrapartida, o dicionário aponta que libertação é o ato de libertar-se ou libertar-se. Partindo do pressuposto 1 do dicionário Michaellis, liberdade é o estado livre de qualquer ser humano. A Constituição Brasileira diz em seu artigo quinto o seguinte: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:  IV -  é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;  VI -  é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias; IX -  é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença; e outros tantos parágrafos.
       O que eu quero dizer é que para cada setor da sociedade há um conceito sobre liberdade, que difere, e muito, de libertinagem. Segundo Michaellis, libertinagem é: 1. Vida de libertino. 2. Devassidão, licenciosidade. Um ser libertino é aquele que é desregrado nos costumes, dissoluto, licencioso, lascivo: 1. Homem devasso, libidinoso, sensual, depravado. 2. Partidário da seita dos anabatistas que faziam oposição a Calvino.


      E lembram quando lá no começo citei uma fala de Hazel, em A culpa é das estrelas? Pois bem, essa mesma fala cai perfeitamente no que quero destacar. É nessa liberdade que muitos encontram o pecado. Recorramos, mais uma vez, ao Michaellis para aprofundarmos o conceito de pecado:  1. Transgressão de lei ou preceito religioso. 2. Transgressão de qualquer preceito ou regra. 3. Demônio, tentador. 4. Culpa, defeito, falta, vício. Em síntese, é o que mata espiritualmente o homem; ofensa grave à lei de Deus, por livre e espontânea vontade.
      Faço questão de ressaltar o que Michaellis comprova perfeitamente. O pecado é cometido por livre e espontânea vontade. Ninguém peca por que não quer. Pecamos por que queremos, por que sentimos prazer, por que gostamos de pecar. E isto não é a pior coisa do mundo, não! Isto está em nossa natureza humana, carnal. A bíblia é feliz quando nos explica isto:

      “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”. Romanos 3:23

      Talvez, você possa não admitir que seja um pecador, afinal de contas, por que pagar pelo pecado de Adão e Eva? Foram eles que pecaram e não você. É verdade! Concordo em gênero, número e grau. Não deveríamos ser culpados por aquilo que não fizemos. O dicionário Michaellis nos ajuda mais uma vez quando esboça que culpa é consequência de se ter feito o que não se devia fazer, é pecado.
      O pecado está tão intrínseco em nossas vidas quanto o sangue que corre em nossas vezes, mas cabe a nós saber como lidar com isto. Gênesis 4:7 diz o seguinte: “E se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo, mas sobre ele deves dominar.” O desejo, dito por Deus para Caim após ter matado o próprio irmão, Abel, denota uma forma de pecado. Cabe a nós dominá-lo.


      Quero lhes trazer a memória quando o Michaellis delimitou pecado como ofensa cometida de forma livre e espontânea. Quando Hazel Grace Lancaster diz que é na liberdade que muitos encontram o pecado ela não mente, pelo contrário, ela pondera algo extremamente útil. Muitos acreditam que por serem espíritos livres estarão isentos de qualquer tipo de “prestação de contas”. As coisas não são assim, meu caro Watson!
Imagino o quão somos ingênuos ao pensarmos que tudo o que passamos nesta vida será feito sem qualquer tipo de “esclarecimentos futuros”. Se é tão ingênuo pensar que Deus existe e Ele nos governa é tão prematuro conceber que somos os “p*** loka” da vez e que nada nos será imputado.
      É preciso tomar muito cuidado com a nossa tão desejada “liberdade”. Se quisermos ser livres, que sejamos complacentes. Se quisermos uma vida absoluta, que saibamos conviver com os relativos. Se quisermos uma vida de paz, que não venhamos declarar guerras. É tão antagônico pensar em ser livre sem exercer a liberdade. E quando o apóstolo Paulo diz que foi para a liberdade que Cristo nos chamou ele não mente. Foi para uma vida livre, mas consciente, totalmente desvinculada das máculas da escravidão tanto física quanto mental que Jesus te chama para mais perto. 

      “Ser-se livre não é fazermos aquilo que queremos, mas querer-se aquilo que se pode.” Jean-Paul Sartre


5 comentários:

  1. Marize Borgneth
    Este comentário foi removido pelo autor.
  1. Marize Borgneth
    Este comentário foi removido pelo autor.
  1. Marize Borgneth

    "Cristoincidentemente" hoje vi uma foto da lindaaa e fofa Marcela Taís que falava a respeito da liberdade e postei no instagram e eu fiquei pensando em uma legenda e lembrei que a Pra. Sarah Sheeva havia feito em seu blog ao sobre a liberdade(ela já escreveu sobre tudo na vdd)e reli novamente e vi essa frase: "Ser livre é conseguir dizer NÃO para tudo que lhe faz mal." E eu lembrei do discurso de inúmeras pessoas que se afastam de Deus dizendo que querem ser livre, logo começam a fazer o que devem e o que não devem,biblicamente falando, e sem perceber elas estão prisioneiras, já que a "liberdade" delas não fazem nenhum bem. Então, eu concluí que liberdade não é sair fazendo o que der na telha e sim fazer somente o que nos faz bem.

  1. Anônimo

    Wooooooooow, que incrível!!!! Vi meus pensamentos representados nesse texto.

  1. Tagila Maciel

    Wooooooow, incrível!!! Vi meus pensamentos representados nesse texto.

 

2011 por Natalia Araújo 2013 por Allan Penteado. Exclusivamente para o blog Manuscrito. Cópia parcial ou integral é totalmente proibida.